Zema diz concordar com proposta de Pacheco em negociação com Lula para dívida de Minas

Zema diz concordar com proposta de Pacheco em negociação com Lula para dívida de Minas
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou nesta quarta-feira (22) que concorda em repassar ativos do estado, como a Cemig (de energia elétrica) e a Codemig (de exploração de nióbio), para reduzir a dívida com a União.
Enquanto Zema tentava aprovar o Regime de Recuperação Fiscal na Assembleia Legislativa, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o ministro de Minas, Alexandre Silveira, começaram a costurar um plano B junto ao próprio presidente Lula.
"Tem todas as condições [de a proposta prosperar], sim. Estamos bem otimistas. Sim, estamos de acordo [em repassar ativos para a União]", disse Zema após reunião no Senado com Pacheco e Silveira.
O governador corre contra o tempo para apresentar ao STF (Supremo Tribunal Federal) até 20 de dezembro uma proposta para pagar a dívida de R$ 160 bilhões de Minas com a União.
O próprio governo mineiro admite que, sem isso, os servidores públicos estaduais terão os salários atrasados a partir de fevereiro e, "muito provavelmente", voltarão a receber de forma parcelada no primeiro semestre.
Acuado diante da ofensiva de Pacheco, Silveira e Lula em Minas, Zema mudou sua estratégia de embate e decidiu tomar a frente nas negociações da dívida. Nesta quarta, o governador também se reúne com o ministro da Fazenda.
O plano alternativo está baseado em três eixos: reduzir o valor da dívida; entregar ativos como a Cemig, a Codemig e a Copasa (de água) à União; e usar parte dos créditos da repactuação do acordo feito após o rompimento da barragem em Mariana.